Receber o roteiro de um programa e entrar em contato com um entrevistado para fazer perguntas ou, quem sabe, convidá-lo para participar do show. Essas funções são responsabilidades de alguém graduado em Jornalismo ou em Rádio e Televisão? Pode ser dos dois. Mas, mesmo que os profissionais dessas áreas atuem em parceria em muitas situações, é importante conhecer as diferenças entre as 2 carreiras para escolher aquela que mais combina com você — afinal, estamos falando da sua futura rotina, certo?

Neste post, separamos algumas características de ambas as áreas, listando as diferenças que vão do início até o fim dos cursos, quando os (ex-)estudantes estão prontos para entrar no mercado de trabalho. Ficou curioso? Então continue com a leitura!

Rádio e Televisão

Você sabe o que faz um graduado em Rádio e Televisão? Resumidamente, esse profissional é responsável por atividades relacionadas à criação e à produção, à direção e à edição de programas para o rádio, para a televisão e, também, para a internet. Isso significa que um formado na área pode trabalhar como locutor, roteirista e até mesmo coordenador de grades de programação de uma emissora!

Saiba mais detalhes sobre Rádio e Televisão a seguir:

O curso

O curso de Rádio e Televisão oferece formação generalista na área de Comunicação Social, com foco nas práticas que são aplicadas nas rádios, nas emissoras de televisão e, mais recentemente, nos portais da web. Há muitas disciplinas de Ciências Humanas — como Filosofia, História da Arte e Teorias da Comunicação. Conforme os períodos avançam, surgem as matérias mais específicas — como Direção, Cenografia e Criação em Imagem e Som.

Em média, o curso dura 4 anos, e as faculdades costumam exigir a entrega de um trabalho de conclusão de curso (TCC).

O campo de atuação

  • Roteiro: criação de vinhetas, de chamadas e de programas para rádio, TV e internet;
  • produção: organização da infraestrutura para que os programas sejam realizados e transmitidos. Aqui, o trabalho é bem diversificado, indo desde a preparação de entrevistados até o cuidado com equipamentos e cenários;
  • direção: liderança e supervisão de toda a equipe de produção dos programas;
  • edição: seleção dos sons, das imagens e dos textos que vão compor os programas;
  • organização: adequação da grade de programação da emissora aos critérios comerciais e de audiência;
  • administração: organização do funcionamento de setores específicos das emissoras, como o marketing e o financeiro;
  • área técnica: operação de equipamentos de iluminação, de gravação de imagem e de som e de edição.

O mercado de trabalho

A demanda para profissionais da área de Rádio e Televisão tem crescido graças à lei 12.485, a “lei da TV paga”. Com essa norma da Agência Nacional do Cinema (Ancine), a grade das emissoras de televisão por assinatura deve ter uma cota mínima de programas nacionais. Isso significa que cada vez mais produtos audiovisuais de todas as regiões brasileiras têm seu espaço garantido nas telinhas.

É verdade que as empresas de rádio e de televisão ainda são as principais empregadoras, mas a produção de conteúdos para a internet também tem elevado a demanda por profissionais da área. Quanto às melhores ofertas de trabalho, elas ainda se concentram nos grandes centros urbanos, como o eixo Rio–São Paulo.

O salário

Com um vasto campo de atuação, é de se esperar que os salários na área de Rádio e Televisão também variem bastante. Listamos abaixo 5 funções comuns no campo e sua respectiva média de remuneração mensal segundo o site de classificados de empregos Catho:

Jornalismo

Conhecido como “profissional da notícia”, o jornalista investiga, apura e divulga informações de interesse público em meios de comunicação, como jornais, revistas, rádios, emissoras de televisão e sites. É ele quem faz entrevistas e redige reportagens de acordo com a linguagem do veículo e do público para quem o texto deve ser entregue.

Dê uma olhadinha nos detalhes sobre Jornalismo:

O curso

Durante os 4 anos da graduação, o estudante de Jornalismo tem contato com matérias básicas — como Economia, Língua Portuguesa e Teorias da Comunicação — e, também, com disciplinas específicas — como Jornalismo Investigativo e Novas Mídias de Comunicação. Além disso, os cursos costumam contar com muitas aulas práticas, a exemplo de Fotojornalismo e laboratórios de Jornalismo impresso, para rádio, para TV e on-line.

As faculdades exigem a entrega de um TCC, que pode ser uma monografia ou um projeto prático, como a elaboração de um jornal impresso ou de um programa de TV, mais um relatório.

O campo de atuação

  • Reportagem: apuração e redação de textos para rádio, televisão, jornal, revista ou internet;
  • edição: definição do foco e do tamanho dos textos. O editor, nome de quem assume este cargo, também é responsável por selecionar imagens e sons que dão a forma final aos conteúdos;
  • fotojornalismo: captura de cenas para reportagens em jornais, revistas ou sites;
  • comunicação empresarial: realização do contato entre uma organização com os seus stakeholders (públicos como funcionários, clientes e a imprensa) para divulgar a marca, a missão, os valores e os produtos.

O mercado de trabalho

Em 1º lugar, é preciso esclarecer que as empresas de mídia seguem preferindo candidatos com formação superior mesmo com a não obrigatoriedade do diploma.

As vagas nos veículos da imprensa tradicional têm sumido nos últimos anos, mas o campo de trabalho de conteúdo digital, isto é, para a internet, tem aberto novas possibilidades e exigências para os formados na área: é preciso que os jornalistas se mantenham atualizados com a linguagem da internet e a atualização das redes sociais.

Além da web, as principais oportunidades se encontrem em:

  • assessorias de comunicação;
  • emissoras de TV por assinatura;
  • produtoras de conteúdo audiovisual;
  • empresas que aceitam serviço freelancer.

São Paulo é a região que concentra o maior número de vagas em todo o país, pois é onde se encontram os maiores veículos de comunicação brasileiros.

O salário

Segundo a Catho, a média salarial de um jornalista no Brasil é de R$ 2.041,22.

Independentemente do curso escolhido, é importante garantir uma vaga em uma boa instituição de ensino, com estrutura de qualidade para garantir uma formação sólida e, consequentemente, contribuir para o sucesso da sua carreira.

Agora que você se informou e é capaz de optar entre Rádio e Televisão ou Jornalismo, entre em contato com a gente e veja quais são as oportunidades que oferecemos!

Guia completo para planejar e organizar a vida de universitário