Em tempos de conturbados acontecimentos políticos, desde a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos até as recentes instabilidades da presidência no Brasil, há muito mais com o que contribuir ao invés de reclamar nas redes sociais sentado no sofá de casa. O engajamento político vai além das obrigações eleitorais de dois em dois anos.

Mas, ainda há quem não saiba como fazer a diferença na hora de exercer seus direitos políticos! Pensando nisso, preparamos uma lista de dicas imprescindíveis. Confira!

1. Participe das decisões de sua instituição de ensino

O primeiro mito que você deve deixar de lado ao pensar sobre engajamento político diz respeito aos espaços de exercício desse direito. Para participar da política, não é preciso ir ao Congresso Nacional ou à Prefeitura de sua cidade. Ao contrário, existem vários espaços que você pode aproveitar para se engajar. Escolas e faculdades são bons exemplos disso.

Independentemente de qual seja sua instituição de ensino, é muito importante buscar um assento nas mesas em que são tomadas decisões coletivas. Isso pode ser feito por meio da participação em grêmios estudantis, diretórios e centros acadêmicos. Faça reclamações, expresse suas demandas, influencie as decisões administrativas e faça sua voz ser ouvida!

2. Monitore leis propostas por políticos eleitos

Poucas pessoas sabem, mas o processo legislativo é bastante transparente. Por meio dos canais de televisão que transmitem ao vivo (pela TV e pela internet) as plenárias e sessões especiais das assembleias, câmaras de vereadores e outros órgãos legislativos, e também por meio de seus sites institucionais, é possível acompanhar o trâmite das leis.

No caso do Senado Federal, por exemplo, basta clicar aqui para procurar qualquer tipo de atividade legislativa em curso na casa. Você pode pesquisar pelo número dos projetos de lei, temas, senadores envolvidos, etc. Cada parecer, votação e transcrição das reuniões plenárias é publicado e disponibilizado nesse site, ao alcance de qualquer cidadão.

3. Engajamento político off-line: participe de assembleias

Para além da internet, você também pode participar ao vivo das discussões sobre projetos de lei. As assembleias legislativas e demais reuniões especiais são públicas. Desde que haja assentos disponíveis, qualquer cidadão pode assistir. Muitas vezes, também são realizadas audiências públicas, com a finalidade específica de ouvir o que a população tem a dizer sobre determinada matéria.

Ao participar desses espaços, o mais importante é buscar conhecimento sobre os temas tratados, para falar com mais autoridade ao dar sua opinião. Leia os projetos em discussão, converse com pessoas que também já se informaram sobre eles e exerça seu papel cidadão!

4. Promova discussões críticas em seu dia a dia

Assumir uma postura mais crítica em seu cotidiano é também uma forma de engajamento político. E isso pode ocorrer em vários ambientes, desde que você tenha algo a acrescentar para o debate. Se você mora em um prédio, por que não participar das reuniões de condomínio? Procure saber o que está sendo discutido, verifique como aquele assunto te afeta e faça proposições que considere mais adequadas.

Além disso, você também poderá adotar posturas mais críticas quando estiver em uma roda de amigos. Quando o assunto nesses ambientes é política, há quem simplesmente evite dar sua opinião, para “evitar problemas”. No entanto, é possível discutir e refletir criticamente, sem perder o respeito, justamente porque são seus amigos. Aproveite essas oportunidades!

5. Informe-se: leia e assista a reportagens sobre o tema

De nada adianta reproduzir memes políticos e postagens falsas em suas redes sociais. Na verdade, essa forma de demonstrar publicamente opiniões políticas costuma mascarar desconhecimento sobre os temas tratados. Em vez disso, sempre que surgir uma polêmica, procure se informar!

Pesquise sites especializados e respeitáveis, leia e assista a reportagens sobre o tema, reflita! Não se engaje politicamente sem antes conhecer o conteúdo que está sendo debatido, porque isso empobrece o debate e diminui suas chances de crescimento intelectual.

6. Abra sua mente para ouvir (e compreender) opiniões diferentes da sua

Engajar-se politicamente também é sinônimo de estar aberto para debates. Nesses espaços, é imprescindível lidar, de forma madura e aberta, com opiniões contrárias às suas. Você perde muito ao se fechar irredutivelmente em uma opinião, simplesmente porque é isso que se espera de seu posicionamento político (seja de esquerda, direita, ou centro).

Na verdade, é possível concordar com algumas pautas de direita, outras de esquerda, tudo a depender de como você se abre para esse tipo de debate. Ao assumir uma postura mais receptiva a novas ideias, você também evolui politicamente e aumenta suas chances de ter o mesmo efeito sobre seus debatedores.

7. Tome cuidado com as redes sociais

Hoje em dia, redes sociais são redutos muito perigosos para quem lida com engajamento político. Ao mesmo tempo em que você encontra diversas postagens, pessoas e comunidades que compartilham suas opiniões, há também muito ódio, notícias falsas e desinformação circulando. Por isso, é preciso tomar cuidado.

Duvide de notícias muito extremas e evite realizar postagens muito categóricas. Afinal, uma vez que você escreveu e publicou algo, ainda que seu perfil tenha configurações de privacidade, basta um print screen para que isso circule na rede, no local onde você trabalha, entre seus amigos etc. Pense duas ou três vezes antes de realizar qualquer publicação e comentário, porque eles têm consequências!

8. Foque em causas que mais despertam sua atenção

Finalmente, é preciso que você se livre do fardo de ter que saber tudo sobre todos os temas para se engajar politicamente. Ainda que você procure ler e se informar sobre todos os temas do momento, é impossível ter uma opinião qualificada sobre tudo. Nem mesmo jornalistas conseguem colocar isso em prática.

Foque nos temas e áreas que mais te interessam. Se você trabalha com saúde e está preocupado com políticas públicas nesse setor, busque mais informações e atue nessa área. O mesmo vale para quem gosta de economia, educação, direito e outras atividades relacionadas à vida pública.

Com essas dicas em mãos, fica mais fácil praticar o engajamento político em seu cotidiano, não apenas na época das eleições. Quer continuar a receber postagens como esta? Então aproveite e siga a Universidade São Judas Tadeu no Facebook e no Twitter

Guia completo para planejar e organizar a vida de universitário