No que a combinação do medo de agulhas e exames, um espírito empreendedor nato e vontade de inovar resulta? No caso de Elizabeth Holmes, norte-americana de 32 anos, a resposta é um patrimônio estimado em 4,5 bilhões de dólares, acumulados em apenas 30 anos de vida e 10 de trabalho duro.

A história dessa fantástica jovem empreendedora que abalou as estruturas do renomado Vale do Silício, nos Estados Unidos, é surpreendente e inspiradora! Apesar de claramente ser uma exceção à regra, e de ter contado com a sorte de ter uma grande ideia, ela é um exemplo de perseverança, mostrando a todos que é possível trabalhar a favor dos outros e beneficiar-se com isso ao mesmo tempo.

Quer saber mais sobre sua trajetória e sobre a grande inovação criada por essa empreendedora que facilitou a vida de milhares de pessoas e a tornou a bilionária mais jovem da história? Confira o nosso post de hoje!

O caminho

A jovem Elizabeth Holmes sempre esteve acostumada com grandes mudanças. Em função do trabalho de seu pai, morou em diversas cidades dos Estados Unidos durante a infância e até na China. Elizabeth também nasceu com espírito inovador. Em uma carta escrita a seu pai quando tinha 9 anos de idade, a pequena declarou: “o que eu realmente quero da vida é descobrir algo novo, algo que a humanidade não sabia que era possível fazer”.

Aos 19 anos, Elizabeth ingressou na reconhecida Universidade de Stanford nos Estados Unidos, para estudar Engenharia Química. Quando ainda era caloura, ganhou uma bolsa no valor de 3 mil dólares para iniciar um projeto de pesquisa. Foi o pontapé inicial para que Elizabeth tivesse uma grande ideia e acabasse largando os estudos dois anos depois para dedicar-se somente ao desenvolvimento de uma grande inovação, em um porão, trabalhando incansavelmente durante uma década.

A ideia

E qual foi, então, a grande ideia de Elizabeth Holmes, que a fez criar uma empresa de biotecnologia — a Theranos — considerada uma das mais promissoras de todo o Vale do Silício? Ela criou uma metodologia de análise de sangue mais simples, rápida e barata do que o método tradicional, feito com agulhas e frascos. Com a coleta de poucas gotas, é possível fazer mais de 200 tipos de análise diferentes!

Segundo a própria Elizabeth, sua ideia surgiu de seu próprio medo de agulhas e do fato de que quase metade da população americana não faz os exames de sangue requeridos por seus médicos justamente por terem receio do método tradicional. Durante os primeiros 10 anos de trabalho, enquanto desenvolvia e aprimorava sua tecnologia, ela trabalhou de maneira muito discreta — para não dizer secreta. Inclusive, três ex-funcionários da companhia foram levados à justiça por Elizabeth, acusados de terem divulgado segredos da empresa. A tecnologia criada pela empreendedora até hoje é mantida sob sigilo, e há mais de 84 patentes registradas em seu nome, tanto nos Estados Unidos quanto em registros internacionais.

Os primeiros clientes da Theranos foram as indústrias farmacêuticas. Oferecendo a eles o seu método mais simples e barato de coleta de sangue, Elizabeth influenciou diretamente a diminuição dos custos de desenvolvimento de novos medicamentos. Isso porque a fase de testes em humanos, obrigatória no processo de pesquisa de novas drogas, exige inúmeros exames de sangue. E isso encarece bastante o processo, já que ele é bastante longo e moroso.

A partir daí, a Theranos expandiu sua clientela para os cidadãos comuns. Por meio de uma parceria com a famosa cadeia de farmácias norte-americana Walgreen, que tem mais de 8.500 estabelecimentos espalhados por todos os Estados Unidos, Elizabeth Holmes viu seu negócio ser alavancado de vez. A parceria consiste, basicamente, na montagem de postos de coleta da Theranos — os chamados Centros de Bem-Estar Theranos — dentro das farmácias da rede, possibilitando que as pessoas realizem seus exames de sangue em uma simples ida à drogaria da esquina, sem a necessidade de procedimentos invasivos com agulhas e grandes quantidades de sangue sendo retiradas.

Além disso, apesar de os preços variarem conforme o tipo de exame a ser realizado, ele costuma ser bem inferior ao da concorrência e, ao contrário do que é comum nos Estados Unidos, o pagamento é feito antes da coleta e não depois. E para finalizar, o cliente recebe o resultado via e-mail, 24 horas depois! Sensacional, não é mesmo?

O sucesso da inovação de Elizabeth e, consequentemente, da Theranos, fez com que a empreendedora se tornasse a mais jovem mulher da história a entrar para a seleta lista de bilionários da Forbes aos 30 anos de idade, com todo o patrimônio tendo sido acumulado por causa da abertura do próprio negócio.

Elizabeth Holmes hoje

Hoje em dia, Elizabeth ainda é CEO da Theranos e é dona de mais da metade das ações da empresa. Em 2015, investidores privados anunciaram uma injeção enorme de recursos na companhia, elevando seu valor de mercado para 9 bilhões de dólares. Ou seja, o patrimônio pessoal de Elizabeth, hoje em dia, está avaliado em cerca de 4,5 bilhões de dólares (aproximadamente 16 bilhões de reais).

E para se ter uma ideia do quanto a empresa é conceituada dentro do mundo dos negócios, o conselho de administração da Theranos conta com nada menos do que dois ex-secretários de estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger e George Schultz, e com um ex-secretário da defesa do país.

Entretanto, para você que pensa que é moleza chegar onde ela chegou, saiba que a empreendedora bilionária não costuma dedicar tempo para romances ou amigos, não namora, não tem televisão e não tira férias há 10 anos! Questão de prioridades, não é mesmo?

“Eu queria saber o que eu poderia fazer para mudar o mundo, tocar a vida das pessoas de forma significativa”. Pelo jeito conseguiu, hein, Elizabeth?

Gostou de ficar sabendo a incrível história da jovem empreendedora bilionária Elizabeth Holmes? Quer mais um pouco de inspiração? Então talvez você também ache interessante ler o nosso post que lista as 6 lições de empreendedorismo que aprendemos com Steve Jobs!

Guia completo para planejar e organizar a vida de universitário