Morar em república está no topo das vivências mais divertidas e especiais na vida de um universitário. Há cidades estudantis, como Ouro Preto, em que as repúblicas existem há décadas, trazendo casas repletas de histórias, tradições e identidades peculiares. 

A acomodação que reúne jovens e estudantes no início de suas trajetórias (acadêmicas ou profissionais) proporciona o compartilhamento da vida universitária, seja para enfrentar os desafios da nova fase ou comemorar as conquistas.

Se você é estudante universitário e mudará de cidade em breve, provavelmente deve estar considerando fazer parte de uma moradia estudantil. Mas você sabe por que morar em república pode significar uma contribuição pessoal muito valiosa em termos de experiência e aprendizado? 

Separamos algumas das vantagens para o aluno que opta por morar em república. Em questão de economia até da socialização em uma nova cidade, a residência universitária é uma das possibilidades mais incríveis para os calouros. 

De onde vem o nome “república”? 

Originário de Portugal, o termo foi cunhado em 1309, durante a consolidação da conceituada Universidade de Coimbra. Após construir casas destinadas à moradia de estudantes, Dom Dinis contava com homens de classe abastada para a manutenção das residências com baixo custo para os universitários, sendo um modelo para as moradias como conhecemos hoje.

Um lugar de vida social intensa

A grande maioria dos estudantes que vão morar em repúblicas estudantis são jovens universitários recém-chegados na cidade. Poucos residentes que chegam às repúblicas possuem vínculo ou mesmo um conhecimento mais profundo da região. 

Na moradia para estudantes, os alunos se integram em um espaço comum, dividindo as vivências das primeiras descobertas da região e da faculdade. Por partilharem de uma mesma situação, os alunos têm a chance de aprender juntos com os moradores mais antigos as peculiaridades do local, os macetes da universidade e como se virar morando sozinho.

Sem dúvida, a socialização é um dos maiores ganhos para os universitários, que aprendem não só a tirar melhor proveito da época de estudos como a cuidar de casa, seja lavando os cômodos ou cozinhando.

Morar em república é bastante econômico

Outro fator muito interessante para os estudantes (e suas famílias, consequentemente) é o valor gasto no aluguel de um quarto em república. Tendo como escolher entre cômodos compartilhados ou individuais, sendo eles mais próximos ou mais afastados da universidade, a variação de preço mantém uma base bastante reduzida com relação aos valores de mercado. 

Isso quer dizer que, em uma república, o valor mensal será menor do que em outras opções – como alugar um apartamento sozinho, por exemplo. Alguns lugares, como cidades universitárias, possuem repúblicas e moradias subsidiadas pela própria instituição. 

A diversão faz parte do jogo

A primeira coisa que vem à cabeça quando falamos em república são lugares cheios de estudantes, com muitos eventos e festas. Embora muitas pessoas acham que isso pode afetar a concentração dos alunos, a diversão pode tornar a universidade ainda mais interessante.

Afinal, a época da universidade é também um período de muita troca. Estar em uma república onde há eventos festivos permite ao aluno multiplicar contatos, solidificando suas relações e estabelecendo vínculos que podem durar uma vida inteira.

Estar em comunidade traz suporte emocional

Morar longe dos pais pode ser instigante, porém pode trazer também algumas angústias. A saudade dos pais, assim como dos amigos que ficaram na cidade de origem, pode afetar o estudante que ainda está começando a estabelecer vínculos e afetos em um território desconhecido.

Em uma república, é natural haver amparo emocional dado pela convivência com os outros estudantes. É como se ali se formasse uma nova família, que partilhará os maiores perrengues assim como as maiores alegrias. 

Ela também é lugar de estudo

Vários alunos conseguem desfrutar, além da diversão, de um grande aprendizado através do intercâmbio de conhecimento entre os membros da república. É claro que isso fica ainda mais fácil caso a residência seja destinada a alunos do mesmo curso. 

A discussão sobre um tema ou trabalho não fica restrita ao ambiente da universidade, podendo se estender em nos momentos de refeições, intervalos de aula ou mesmo de descanso. Tirar dúvidas com alunos veteranos também é uma prática bastante comum entre aqueles que moram em moradias compartilhadas.

Você terá que conviver

Geralmente as moradias adotam um modelo de gestão horizontal, onde as decisões são definidas e partilhadas por todos. Isso faz com que a vida em república proporcione uma formação democrática, tolerante e respeitosa com os demais. 

Quem convive em república deve aprender a se adaptar a diferentes realidades em um grupo que pode ter pessoas de todos os tipos e todos os gostos. Articular-se para desenvolver uma identidade própria dentro do grupo também faz parte da formação da vida em república, devendo ser um estímulo para uma integração bem-sucedida.

Nem toda república é igual

Quem faz o ritmo e a atmosfera da moradia são os estudantes que nela habitam. Assim sendo, há aquelas onde as festas são intermitentes, outras exclusivas de mulheres, enquanto algumas agrupam estudantes pelo curso. Para uma boa adaptação, é importante escolher aquela com que o aluno possui maior identificação.

Alguns estudantes temem morar em república por uma má experiência, esquecendo-se de que cada moradia oferece um fluxo de pessoas e experiências diferentes. É bom considerar que, não havendo adaptação em uma república, o estudante pode trocar de residência e ir para aquela que mais lhe agrada. 

Cuidado e zelo são essenciais

Como não podia faltar nesta lista, algumas dicas podem salvar os calouros recém-chegados. Não aceite morar em residências que não possuem um mínimo de estrutura, como cama, televisão, geladeira, fogão e micro-ondas (sim, este último item pode se tornar o melhor amigo de um estudante na reta final dos estudos). 

Com relação aos itens individuais, tenha sempre sua roupa de cama, banho e utensílios de cozinha mais pessoais, como coador de chá, copo térmico e seu próprio abridor de garrafas. Já em uma primeira visita é possível ver o nível de higiene do local. Por mais que um estudante se considere bagunceiro, ele não conseguirá viver quatro anos em um lugar sujo e mal organizado. 

Morar em república pode ser muito mais gratificante do que a encomenda, trazendo pessoas e experiências que ficarão marcadas por toda a vida. Se você gostou deste artigo, compartilhe nas redes sociais com os seus amigos companheiros desta jornada!

Guia completo para planejar e organizar a vida de universitário