Passar no vestibular é uma grande conquista, que inaugura uma fase de muitas mudanças e transformações na vida de um estudante. Porém, no caso das universidades particulares, vários alunos não conseguem terminar ou prosseguir com os estudos devido ao valor das mensalidades. A boa notícia é que cada vez mais é possível que pessoas de todos os níveis sociais consigam completar um curso em uma instituição privada.

Isso se deve principalmente ao fato de que, nos últimos anos, as possibilidades de financiamento e de linhas de crédito para a educação cresceram bastante. Há oportunidades geradas pelo Governo Federal, por instituições privadas (como bancos) e também pelas próprias universidades, que oferecem bolsas, descontos e outros recursos para financiar matrículas e mensalidades.

Quer saber como funcionam desses programas e como eles podem servir para você? Acompanhe o texto e saia sem nenhuma dúvida de como pagar a faculdade!

Programa Universidade para Todos (ProUni)

O famoso recurso oferecido pelo Ministério da Educação nasceu em 2004 e se trata de um programa de bolsas de estudo. Podem participar do ProUni estudantes brasileiros ou naturalizados que cursaram o Ensino Médio na rede pública, que não tenham diploma de nível superior e tenham renda familiar total entre um e três salários mínimos.

Também podem concorrer estudantes que frequentaram instituições privadas, desde que tenham sido bolsistas integrais. As bolsas oferecidas pelo programa variam de percentagem, podendo ser parciais ou integrais, dependendo do caso de cada estudante.

Como ingressar no ProUni

Para participar do ProUni, é preciso fazer o Exame Nacional de Ensino Médio (ENEM) e alcançar no mínimo 450 pontos. Também é essencial que o candidato não tire nota zero na redação.

Financiamento Estudantil (FIES)

Outro programa oferecido pelo Governo Federal e vinculado ao Ministério da Educação, o FIES concede financiamento para estudantes que estão matriculados em instituições privadas e que tenham avaliação positiva nos exames feitos pelo MEC. Com o FIES, o aluno começa a pagar a universidade 18 meses depois de sua formatura. A taxa de juros é atrativa, com apenas 6,5% ao ano. Até se formar, o estudante paga uma quantia trimestral de até R$ 150,00, referente aos juros do período.

Quem pode participar?

Podem participar do programa estudantes que tenham renda familiar de até 10, 15 ou 20 salários mínimos, tendo descontos especiais dentro dos diferentes valores de teto. O estudante pode ter de 50% a 100% de sua graduação financiada pelo programa.

Como ingressar?

Aqueles que desejam participar do FIES devem fazer o ENEM, sendo válido o exame de 2010 para a frente. O aluno também deve estar matriculado em um curso de graduação no ensino superior em instituição privada, e que tenha uma boa avaliação pela Sinaes — Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior.

 

Bolsas da própria universidade

Antes de se matricular em algum curso, procure saber se a própria universidade oferece algum programa de financiamento ou de bolsas de estudo. Algumas delas levam em conta critérios sócio-econômicos e também o desempenho do aluno dentro da faculdade.

O aluno pode obter uma bolsa, total ou parcial, ou então pegar um financiamento para pagar quando estiver empregado, depois de ter se formado. É bom ficar ligado nas datas de inscrição para os processos de seleção e também nos documentos necessários para os exames e entrevistas. Procure saber quais são as taxas de juros e se as parcelas se alteram durante o período do contrato.

Muitos desses programas podem ser feitos sem a necessidade do ENEM e dispensando também a inscrição de conta bancária. Para os alunos que tenham mensalidades atrasadas, essa pode ser uma saída de como pagar a faculdade e não ter que interromper os estudos.

Programas de excelência

Aqueles alunos que tenham desempenho exemplar nas disciplinas apresentadas em sala de aula podem se candidatar a programas de bolsa concedidas aos chamados “alunos brilhantes”. Destinados a jovens que se destacam na carreira acadêmia, os programas de excelência podem cobrir até 95% da mensalidade.

Geralmente essas iniciativas contam com um processo de seleção, no qual o aluno apresenta seu currículo, além de passar por entrevistas. O perfil de aluno em que o programa se foca são aqueles comprometidos com o Brasil e com alta potência intelectual. Uma das instituições que promove este tipo de programa é a Fundação Estudar.

Trabalho remunerado

Quem quer estudar e ainda não conseguiu nenhum programa de bolsa não precisa desanimar. Enquanto as oportunidades não se concretizam, procure um trabalho que ofereça condições de bancar total ou parcialmente a sua mensalidade. Muitas vezes um estágio é uma porta de entrada para a vida profissional, sendo ainda melhor se o estudante souber aproveitar a oportunidade ao seu favor. Procure nos meios de divulgação de sua universidade e também nos murais fixados dos corredores. Falar diretamente com professores e profissionais da área também é uma boa estratégia para aumentar a chance de conseguir um emprego já na sua área.

Estudar ficou mais fácil do que se imagina! Não dê bobeira e acesse logo os portais com as melhores oportunidades de financiamento e bolsas de estudos para cursos de graduação em instituições privadas. E você, já sabe como pagar a faculdade? Conte para a gente, deixando um comentário ao final do post!

Guia completo para planejar e organizar a vida de universitário