Todos nós já nos encontramos com um psicólogo, ou conhecemos alguém que teve contato com um. De início, é muito fácil ter a impressão de que esse profissional ajuda as pessoas apenas conversando com elas. Mas a verdade é que, por trás dessa conversa aparentemente simples, há um conhecimento muito complexo e que exige bastante estudo.

Se você quer saber mais sobre esse curso e sobre as possibilidades de carreira em Psicologia, continue lendo e confira:

O perfil do profissional da Psicologia

Algumas carreiras têm perfis que são fáceis de imaginar. Por exemplo, para um curso de Engenharia, é interessante que você tenha afinidade com cálculos. Para o curso de Educação Física, um gosto por algo relacionado à atividade física e saúde é necessário. Mas, e para o curso de Psicologia?

O psicólogo pode realizar muitas atividades devido à flexibilidade da sua profissão, o que torna difícil falar de um perfil específico. Entretanto, pode-se falar que há duas características ideais para todo Psicólogo.

Primeiro, se você quer cursar Psicologia, saiba que uma boa aptidão e gosto pela leitura são necessárias. Ao longo do curso haverá textos de autores que contribuíram imensamente para a construção da área, e essas leituras serão tanto a base teórica quanto a fundamentação para a prática.

Além da interpretação desses textos, outra característica importante é a capacidade de se relacionar e interagir com os outros. Afinal, você está prestes a começar um curso que exige que você estude e trabalhe com pessoas, seja capaz de escutá-las e saiba como realizar intervenções.

Por isso, é muito importante desenvolver uma sensibilidade que te permita compreender o contexto do outro com intuito de ajudar com suas questões.

Essas duas características básicas serão somadas a outras, dependendo da sua área de atuação. Para trabalhar dentro de um hospital, por exemplo, serão necessários alguns outros traços que se diferem daqueles necessários para trabalhar num setor de Recursos Humanos de uma empresa.

O peso da escolha da instituição de ensino

Agora que você sabe o perfil básico do curso, é necessário pensar com cuidado sobre em qual instituição de ensino você fará sua graduação. Pesquisadores nos alertam para um excessivo e desordenado aumento no número de cursos de Psicologia no nosso país, que, infelizmente, não foi acompanhado pelo crescimento da qualidade.

Por isso, o que está sendo ensinado nessas instituições é uma fonte de preocupação. Muitas vezes esse aprendizado ineficiente se reflete na falta de ética em relação à profissão. Portanto, é muito importante estar atento a essa escolha, pois é uma decisão de grande impacto na sua futura carreira profissional.

Existem algumas recomendações para você não ficar tão perdido na hora de escolher. Primeiro, faça uma pesquisa sobre quais instituições oferecem o curso de Psicologia e, se possível, tente obter a grade curricular do curso para que você veja quais matérias poderá estudar em cada faculdade.

Você pode procurar também por avaliações dessa instituição em rankings nacionais e ficar atento aos critérios que são utilizados em cada um deles. Outra opção é entrar em contato com alunos e ex-alunos pela internet, por meio de grupos criados no Facebook, por exemplo, e conversar com eles, fazendo as perguntas que achar necessárias.

Além disso, visite a instituição. Vá até o local onde será o curso e conheça sua infraestrutura, pois você passará os próximos 4 ou 5 anos da sua vida indo para lá. Confira se é necessário agendar a visita e aproveite para conversar com mais alunos que estiverem pelo local para coletar mais informações.

As matérias estudadas na faculdade

Agora que você escolheu onde fará seu curso, é hora de colocar a cara nos livros novamente. Durante a faculdade, serão ofertadas algumas disciplinas obrigatórias e que serão essenciais para a sua futura prática profissional.

No início, serão introduzidos conceitos e disciplinas básicas, então é normal que você se depare nos primeiros semestres com aulas de Anatomia e Neuroanatomia Humana, Filosofia e Sociologia, História da Psicologia e Antropologia.

Ao longo do curso aparecerão matérias mais voltadas para a introdução à área da Psicologia. Você se encontrará estudando a sociedade nas aulas de Psicologia Social, estudando o desenvolvimento de crianças e o processo de envelhecimento em Psicologia do Desenvolvimento Humano, aprenderá o que são testes psicológicos e como utilizá-los nas aulas de Avaliação Psicológica e entenderá conceitos importantes do nosso comportamento com as aulas de Comportamento Humano.

Depois de formar essa base, você terá aulas mais aprofundadas, que permitem um com contato maior com a prática profissional. O estudo da natureza dos sofrimentos mentais começa com aulas de Psicopatologia. As aulas de Prática Clínica vão auxiliar a identificar quais intervenções são melhores para cada situação ou caso.

As aulas de Ética o introduzirão ao Código de Ética da Psicologia, que você deve conhecer para saber como agir em todas as possíveis práticas profissionais em que se envolver futuramente.

Você também poderá se deparar com matérias como Psicologia Escolar, Psicologia do Envelhecimento, Psicologia Hospitalar, Psicologia Cognitiva, Neuropsicologia, Orientação Profissional, Psicologia do Trabalho e Psicologia das Organizações, Psicologia do Esporte, entre tantas outras. Como já mencionado, este é um curso que permite várias de áreas de atuação e isso se reflete também nas matérias que você poderá encontrar durante a graduação.

A necessidade de realizar estágios durante o curso

Seguindo o caminho durante a graduação, chega um momento em que é preciso entrar em contato com a prática. Porém, você não está totalmente preparado para atuar. Ainda há conteúdos para aprender e muitos deles vêm a partir ou junto da prática. É por isso que os estágios são tão importantes durante o curso.

Nessas experiências, você realizará atividades supervisionadas por um psicólogo (ou por médicos, em alguns casos) e é importante reconhecer que esse profissional será o responsável por você e pelos seus atos.

Os estágios são oferecidos durante todo o ano. Você pode entrar em qualquer momento do curso, mas é recomendado esperar até o terceiro ou quarto semestre da faculdade, para que você já tenha entrado em contato com algumas noções e teorias de dentro da Psicologia.

As diferentes possibilidades de atuação

Após você se formar, você estará habilitado para atuar em qualquer uma das áreas da Psicologia, contanto que ela esteja descrita pelo Conselho Federal de Psicologia em sua Resolução 13/2007. Confira abaixo algumas das diferentes áreas de atuação em que o psicólogo pode atuar e que estão previstas por esta resolução:

Psicólogo escolar

Atua dentro da área da educação formal por meio da realização de diagnósticos e intervenções em grupo ou individualmente, envolvendo todos as partes do sistema educacional que estão relacionadas ao processo de ensino. Nessa tarefa, o profissional considera as características da escola desde seu corpo docente, currículo, suas normas e material didático até os seus alunos.

Em conjunto com a equipe, o psicólogo escolar colabora com professores e outros funcionários para elaborar, implementar, avaliar e reformular currículos, políticas de educação e projetos pedagógicos. Sua atuação pode ocorrer ao redor da administração da escola, auxiliando na análise e construção de intervenções que procuram um melhor funcionamento da instituição em que trabalha.

O psicólogo escolar também pode participar de programas de orientação profissional com a finalidade de auxiliar os alunos no processo de escolha da profissão.

Psicólogo do esporte

Esse profissional atua tanto no esporte de alto rendimento quanto junto a adultos e crianças participantes de atividades físicas. No primeiro caso, ele auxilia os atletas e técnicos a fazerem uso de conceitos da Psicologia para melhorar as condições de saúde mental. Já no segundo, seu trabalho é identificar padrões de comportamento que podem servir de alvo para intervenções.

Psicólogo hospitalar

Atua em hospitais e outras instituições semelhantes, participando da prestação de serviços de saúde e trabalhando com pacientes, familiares ou responsáveis pelo paciente. Outra possibilidade é atuar na área administrativa do hospital, visando a promoção do bem-estar para todos no local em que está inserido.

Dentro dessas instituições, o profissional estará envolvido com o tratamento e o acompanhamento de pacientes submetidos a procedimentos médicos. O objetivo é promover ou recuperar a saúde mental, que pode ser prejudicada pelas situações de estresse relacionadas ao tratamento físico.

O profissional nessa área também intervém nas relações que ocorrem dentro do hospital, como médico com pacientes, pacientes com suas famílias e nas relações entre pacientes, utilizando dos seus conhecimentos para servir de suporte no processo de adoecimento e recuperação. O acompanhamento pode ser dirigido a pacientes em atendimento clínico ou cirúrgico, nas diferentes especialidades médicas.

Psicólogo social

Atua se baseando na compreensão dos fenômenos sociais e coletivos com o objetivo de problematizá-los e propor ações no âmbito social. Nesse sentido, o psicólogo vai desenvolver atividades em diferentes espaços institucionais e comunitários.

Seu trabalho envolve proposições de políticas públicas e ações que englobam a comunidade em geral e os movimentos sociais relacionados à raça, gênero e sexualidade, religião e classes sociais, dentre outros grupos existentes na nossa sociedade.

Psicólogo clínico

Atua na área específica da saúde, em diferentes contextos, por meio de intervenções que visam reduzir o sofrimento dos indivíduos, levando em conta a complexidade do ser humano e sua subjetividade. Essas intervenções podem ocorrer individualmente, em grupo, na sociedade ou no âmbito institucional. O foco pode ser no diagnóstico, na prevenção e no tratamento.

O psicólogo clínico também atua em questões relacionadas a fases de desenvolvimento humano, desde a infância até depois da vida adulta. Ainda, ele pode participar de programas em centro de saúde na comunidade, organizando grupos específicos para a prevenção de doenças e elaborando estratégias para lidar com situações problemáticas que já estejam acontecendo. Assim, ele contribui para evitar o agravamento dessas questões e promove principalmente o bem-estar das pessoas.

A demanda por profissionais qualificados no Brasil

O mercado de trabalho sempre está à procura dos melhores profissionais, na área da Psicologia não é diferente. De acordo com o próprio Conselho Federal de Psicologia (CFP), atualmente há um total de 280 mil psicólogos no Brasil aproximadamente. Diante desse grande número, a disputa dentro do mercado de trabalho é bastante acirrada.

O que você deve fazer para conseguir se destacar nessa disputa é continuar estudando para se manter sempre atualizado e estar preparado para mudanças, pois essas são características que o mercado busca nos psicólogos qualificados.

Muitos profissionais consideram que a formação acaba na faculdade, quando, na verdade, a graduação é só o começo. Depois, haverá cursos com certificação e especializações, além dos programas mais clássicos de pós-graduação, que te darão mais destaque em meio ao grande número de psicólogos existente.

Portanto, mesmo depois de se formar, não pare seus estudos e busque estar atento ao que há de novo na sua área de atuação, ou em outros possíveis nichos de mercado.

A possibilidade de abrir um consultório próprio

Abrir um consultório próprio e se inserir no contexto da clínica já passou pela cabeça da maioria das pessoas que fazem Psicologia. Afinal, o psicólogo clínico é o que povoa o imaginário popular quando se fala sobre esse curso e essa modalidade de atuação de fato traz muitas vantagens, como a grande autonomia e flexibilidade de horários, que possibilita trabalhar em outra área ou estudar concomitantemente ao exercício da clínica no consultório.

Se você se interessa pela ideia de ter um consultório próprio, porém, tenha em mente que não será um conto de fadas, principalmente no início. Você terá um grande desafio pela frente e é crucial que tenha uma noção dos fatores que envolvem esse empreendimento para que não se prejudique no futuro.

A ideia aqui não é te desanimar de abrir um consultório, mas sim mostrar como isso acontece realmente, para que você pense e esteja atento na hora de investir.

Veja algumas dicas importantes para começar a inserção na clínica:

Contenha sua ansiedade e planeje com calma

Um consultório é um empreendimento. Por isso, você precisará não só planejar o início da sua prática como clínico mas também criar condições que permitam que você continue atuando. Dentro da clínica, o retorno financeiro acompanha os laços que você tem com seus pacientes. Conforme esses laços aumentam, seu retorno também será maior.

Porém, de início, isso pode representar mais custos do que lucros, portanto não tenha pressa em começar e planeje com cuidado.

Aprenda a lidar com a instabilidade

A clínica é uma área sujeita a instabilidades, já que lidar com pessoas nos momentos de fragilidade não é uma experiência muito tranquila. E esse fato pode afetar a sua sustentabilidade.

Em momentos de crise financeira, as pessoas tendem a enxugar seus orçamentos, e é possível que o acompanhamento psicoterápico faça parte desses cortes. Em épocas de final de ano ou feriados prolongados, as pessoas viajam, e isso afetará também a renda. Esteja preparado para lidar com essas situações e imprevistos.

Pense no espaço físico

Será preciso um espaço para realizar o seu trabalho e, para isso, há algumas opções que o mercado imobiliário oferece. A primeira delas é comprar o imóvel, o que diminui alguns gastos mensais fixos. Apesar disso, ainda é preciso se preocupar com taxas de condomínio, IPTU, contas de luz e internet, além da manutenção e higienização do espaço.

Porém, é importante considerar que são raras as situações em que pessoas recém-formadas têm condições financeiras de comprar um imóvel próprio. Nesses casos, é possível também alugar ou sublocar um espaço.

Se essa for a sua opção, é importante considerar o valor do aluguel, além das outras taxas, que deverão ser combinadas com o responsável pelo imóvel. Embora os gastos iniciais sejam mais baixos nessas situações, não se esqueça de que na locação ou sublocação há menos autonomia sobre o ambiente.

Por fim, há a possibilidade de trabalhar em clínicas já existentes e muitas vezes multiprofissionais. Nessas clínicas, é preciso levar em consideração as diretrizes do atendimento demandadas pelos coordenadores das equipes e do lugar.

Siga as orientações dos órgãos de regulamentação

Antes de começar a atuar, pesquise as orientações técnicas da Vigilância Sanitária do município em que se encontra seu espaço físico, pois elas devem ser seguidas para conseguir um alvará.

Por exemplo, uma sala de atendimento em Goiânia deve ter uma área mínima de 7,5 m² com paredes claras de material liso e impermeável, um piso lavável e também impermeável e um teto claro feito de um material resistente. O revestimento de sofás, cadeiras, poltronas, divãs, cortinas e almofadas também precisam ser impermeáveis.

Para essa sala também é essencial ter uma fonte de água potável acessível com a disponibilidade de copos descartáveis, além de o banheiro precisar ser adaptado para deficientes físicos e apresentar pia com sabonete líquido e papel toalha, lixeira com tampa e pedal e saco plástico, vaso sanitário com tampa e papel higiênico e ralo de esgoto com tampa que permita o fechamento.

As características que citamos aqui em caráter de exemplo são específicas para consultórios em Goiânia. Para saber quais são as orientações técnicas da Vigilância Sanitária, você precisará entrar em contato com a Secretária de Saúde ou com o próprio órgão da Vigilância Sanitária do seu município.

3 especializações em alta

Estudiosos da área de Psicologia asseguram que, independentemente do currículo do curso de graduação, ele não sozinho não é o bastante para formar bem um profissional para que ele seja um especialista numa área específica da Psicologia.

Por isso, se observa uma crescente procura por cursos de pós-graduação. Você pode se especializar em qualquer área da Psicologia que preferir, mas lembre-se de que o mercado segue determinadas tendências, portanto é aconselhável você procurar quais são as especializações que estão em alta no momento. Listamos aqui 3 áreas em ascensão:

Psicologia Jurídica

Cada vez mais os campos do Direito e da Psicologia se aproximam nos dias de hoje, o que requer do psicólogo um aprofundamento cada vez maior sobre Psicologia Jurídica. Nessa área, o profissional atua no âmbito da Justiça, colaborando no planejamento e execução de políticas de cidadania, direitos humanos e prevenção da violência.

Também avalia as condições psicológicas de crianças, adolescentes e adultos em conexão com processos jurídicos, seja por contestação de testamentos, processos de adoção, posse e guarda de crianças, entre outras situações.

Esse profissional ainda encontrará trabalho nas varas cíveis, criminais, na vara da família e na vara da criança e do adolescente para atuar como perito, elaborando documentos que serão anexados aos processos. Em alguns casos, ele poderá ser chamado para participar de audiências, prestando informações para esclarecer aspectos técnicos em Psicologia a leigos ou convocado como perito ou técnico.

Neuropsicologia

A neurociência tem avançado de maneira significativa nos seus estudos e isso não é diferente no que diz respeito à sua interseção com a Psicologia. A Neuropsicologia é uma área de atuação que ganhou destaque por acompanhar os avanços tecnológicos século XXI.

O profissional que se dedicar a essa área vai se especializar no estudo e intervenção de aspectos psicológicos sob o enfoque da relação entre eles e o funcionamento cerebral. O neuropsicólogo desenvolverá conhecimentos e instrumentos que são aplicados para realizar avaliação de funções neuropsicológicas, como a atenção, linguagem, percepção do mundo, aprendizagem, processamento de informação, habilidades motoras e outras funções cerebrais.

Psicologia Organizacional

O psicólogo ganhou um espaço maior dentro das empresas e organizações atuando em atividades relacionadas a análise e desenvolvimento organizacional. Esse especialista pode prestar o serviço de consultoria organizacional, realizar o acompanhamento e desenvolvimento de pessoas e elaborar estudos e planejamentos sobre as condições de trabalho atuais e futuras.

Dentro dessa área, o psicólogo também participará do recrutamento e seleção de novos funcionários, de projetos de orientação e treinamento dentro das empresas e de processos de desligamento e demissão de funcionários.

A carreira em Psicologia em expansão

A Psicologia está passando atualmente por um processo de expansão, iniciado principalmente pela utilização de seus conceitos e conhecimentos por outras áreas. Esse processo resultou em um reconhecimento da importância de inserir o psicólogo em novos espaços, ocupando posições que criam mais possibilidades de atuação para o profissional.

Assim, mesmo com muitos nichos do mercado de trabalho já estando saturados (como é o caso da clínica tradicional), a Psicologia ainda é considerada uma das profissões do futuro.

Como você pôde ver, essa é inegavelmente uma área muito ampla, desde sua formação até suas possíveis atuações. Se, agora que você sabe um pouco mais sobre o que é essa profissão e o que encontrará se decidir se tornar um psicólogo, você tiver interesse em seguir carreira em Psicologia, não deixe de conferir mais informações sobre o nosso curso de graduação!

Guia completo para planejar e organizar a vida de universitário